Cantares da aldeia

ALVITO DA BEIRA

É uma terra pequenina
Com ribeirinha, mas sem mar.
No distrito de Castelo Branco,
No mapa vais encontrar.

O seu nome é Alvito da Beira
E reza a velha tradição,
Que se escondiam raparigas
No tempo da invasão.

Tem gente sorridente,
Com muitas memórias.
E se te sentares um bocadinho
Contam-te muitas histórias.

Esta é a minha terra
Que está no meu coração,
Com brincadeiras e aventuras
Que guardo com paixão…

(Maria Pelote, Alvito da Beira, Abril 2001)

Toda a gente se conhece.
Não tem nada que enganar!
E se visitares a terra,
Traz um amigo para te acompanhar.

Tem meninos e meninas
E uma linda ribeira também.
E no verão, dizem:
-Ir para a ribeira convém.

Fonte: Livro: Memórias do Alvito da Beira; Revisitar as raízes, os costumes, e a formosura dos afetos de Luisete Ribeiro Pinho Silva e Cunha

Alguns meios de comunicação da aldeia

Correios / Telefone

O único telefone existente na aldeia data de 1953/54, era constituído por uma central com cavilhas, sendo necessário dar à manivela para estabelecer a comunicação. Do lado de fora do balcão estava o outro aparelho com cabina, para permitir alguma privacidade aos utentes.

Era, também, ali que se fazia a distribuição do correio, pelas 12/13 horas, quando a Ti Maria Neto o transportava.

Hoje, a distribuição é feita por uma carrinha  oriunda de Proença-a-Nova.

Fonte: Livro: Memórias do Alvito da Beira; Revisitar as raízes, os costumes, e a formosura dos afetos de Luisete Ribeiro Pinho Silva e Cunha


12315254_1036859113014461_56543384_o12311597_1036860436347662_645239661_o

Brasão da Freguesia de Alvito da Beira

12305671_804307639692311_1862394514_n

Brasão da Freguesia do Alvito da Beira

Brasão:

“Escudo de ouro, pinheiro arrancado de verde com sete pinhas de prata; em chefe faixeta ornada de azul, prata e azul. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com legenda a negro: Alvito da Beira.”

Justificação dos símbolos:

Pinheiro arrancado de verde com sete pinhas de prata – Representa as atividades económicas, sendo predominantes as que estão ligadas à exploração florestal; as pinhas representam os sete lugares da freguesia, grande parte deles dominados por pinhais (Alvito da Beira, Sobrainho dos Gaios, Cerejeira, Vales, Dápera, Herdade e Mó).”

11998751_804307629692312_1424466232_n - Cópia - Cópia

Burelas ondadas – Em chefe, faixeta ondada de azul, prata e azul. Representam os cursos de água que passam pela freguesia, entre aos quais a ribeira do Alvito (o ribeiro da Herdade e o ribeiro do Altinho), proporcionando a boa fertilização dos seus terrenos.”

11998751_804307629692312_1424466232_n - Cópia

Fonte: Livro: Memórias do Alvito da Beira; Revisitar as raízes, os costumes, e a formosura dos afetos de Luisete Ribeiro Pinho Silva e Cunha

 

Como tudo começou!

A  história do Alvito da Beira, começou assim:

“Após a terrível Batalha de Alcácer Quibir, em Marrocos, em que perderam a vida o nosso desejado rei D. Sebastião e todos os vinte mil soldados que estavam com ele em 1580.
Perdemos assim a independência, Filipe I de Espanha começou a reinar em Portugal, seguiu-se Filipe II e Filipe III, reinou durante um prazo de 60 anos.
O rei de Espanha deu o titulo de Marquês ao conde do Alvito do Alentejo, como dote deu-lhe todos os terrenos de Frauga (nome da aldeia na altura).
O Duque de Silveira, construiu uma capela no lugar que chamamos hoje de Ladeira do Santo, onde existe o Cruzeiro, (a obra de ordem religiosa daqueles tempos). Como ele era Lourenço, deu-lhe o nome de S. Lourenço, o Santo Padroeiro da aldeia. Teve na capela cerca de 300 anos. A capela foi mandada construir num ponto alto de Frauga que avistasse Sarzedas.
Tudo pertenceu ao dote do Marquês. Tudo isto era Selva, o Marquês a mando do rei mandou pelautar milhares de castanheiros e oliveiras, mas os castanheiros foram corroendo com a doença da tinta.
Os primeiros habitantes de Frauga, hoje Alvito da Beira, foram 7 casais de Isna de Oleiros. Em 1640 quando D. João IV restaurou Portugal, retirou o titulo ao Marquês de Sobreira Formosa, por este ser desfavorável ao rei. O Marquês do Alvito entregou Frauga a um visconde de Oleiros, representante do rei.
E assim chamamos a aldeia hoje em dia de Alvito da Beira, e como se pode verificar, estando nós em 2015 o Alvito tem assim 435 anos de História. Até 1921 o Alvito pertenceu à freguesia de Sobreira. A partir daí ficou Freguesia. Já em 2013 passou a ser União de Freguesias de Sobreira Formosa e Alvito da Beira.”

Depoimento de António Ribeiro Fróia
(habitante da aldeia)

Um pouco de história

“Reza a História que o topónimo “Alvito” deriva do baixo latim “Villa Alvitus”, sendo “Alvito” um antropónimo de origem germânica (Alvith, príncipe hérculo do séc. VI). Contudo é provável que a fixação do nome pessoal “Alvito” ao local onde anteriormente já foi freguesia, só tenha ocorrido no inicio da nacionalidade. Quanto ao segundo elemento toponímico “Beira” serviu na altura da criação da freguesia (1920) para a diferenciar de outras povoações do mesmo nome que existem no país, referindo-se assim à região em que se insere.

Certamente muito factos históricos aconteceram como pouca repercussão na evolução desta aldeia perdida no sopé da Serra dos Alvéolos, mas houve um que marcou profundamente aqueles que a vivenciaram, visível no testemunho oral que se foi repercutindo até às gerações atuais, sendo as Invasões Francesas.

Na sequência do Bloqueio Continental, as tropas francesas comandadas pelo general Junot invadiram Portugal. Passaram a fronteira portuguesa no dia 19 de novembro de 1807 e entraram em Castelo Branco por ser o caminho mais curto, desconhecendo as dificuldades.

Por onde passaram os invasores destruíram culturas, roubavam tudo quanto encontravam, igrejas, casas, principalmente comida.

A caminhada prosseguiu até Abrantes dia 23, Golegã dia 27, Cartaxo dia 28 e na manhã de dia 29 de novembro chegaram a Lisboa – foi a 1ª Invasão Francesa.

Quatro anos de guerra deixaram Portugal numa situação quase miserável. As invasões e a ocupação francesa devastaram grande parte do país, especialmente a norte do Tejo.

Perdida e esfumada fica a parcela de história, já que não existem memórias nem pessoas que a lembrem.” (Cunha, 2011:13)

Fonte: Livro: Memórias do Alvito da Beira; Revisitar as raízes, os costumes, e a formosura dos afetos de Luisete Ribeiro Pinho Silva e Cunha
1ª Invasão Francesa
Trajetos das Invasões Francesas